domingo, 5 de janeiro de 2014

Eusébio deixou-nos...

Quando acordei fui surpreendida pela notícia da morte de Eusébio. Nos últimos tempos não disfarçava já a grande debilidade física, mas o supunha tão próximo do fim. Para todos nós fica a memória de jogos memoráveis ao serviço da Selecção em 1966: Coreia, Inglaterra e Rússia. Então, Portugal parava à hora dos jogos e o nome de Eusébio deu volta o mundo, eternizando-o como um dos maiores futebolistas. Aliava a técnica e a força a um enorme espírito de entrega que, sem nunca ultrapassar as regras do fair-play, lhe dava a generosidade capaz para cumprimentar os adversários. Amou o seu clube e o País e, por isso, transformou-se numa espécie de talismã da Selecção. Onde quer que fosse o jogo, lá estava ele (mesmo quando a saúde escasseava ) incitando e sofrendo. Doravante resta o exemplo e a lembrança dos seus gestos...

3 comentários:

M.H. R.M. disse...

Também senti muito a sua falta. Era um exemplo vivo da honestidade, do jogador e do português exemplar. Coisa que cada vez vai escasseando mais...
Beijinho, espero que esteja tudo bem consigo. Gosto muito de a ver por aqui, Peonia.
Devemos comentar, se queremos salvar os nossos blogues, acredite.

M.H. R.M. disse...

Deixei já um comentário nesta mensagem, Peonia. Já calculava que não o tivessa visto, motivo da nossa conversa. Eusébio foi mais um bocado de Portugal que nos deixou...
Até amanhã. Beijo amigo.
MHaydée

M.H. R.M. disse...

Beijo amigo. Obrigada pela visita e pelo comentário. Temos que fazer isto mais vezes, Peonia. Ser solidários com os nossos blogues...Para o Eusébio, acho que já não há palavras que não tenham sido ditas. Deus o acompanhe.